SevenballShow

MENU

CURIOSIDADES ESPECIAL MISTERIOS ARTES FAMOSOS CINEMA TV | TEATRO TRYST 5X1 PHOTO GALLERY PET WORLD CARROS & MOTOS CIÊNCIA & TECNOLOGIA PLANETA ÁSIA COMUNICADOS

Follow Us in G+


Tigres não acumulam a poeira dos séculos; Tigres reinventam a vida todos os dias

Translate

Caes Guias

Série 'Meus Trabalhadores' III_Tudo o que você precisa saber sobre um cão-guia:Treinamento, como agir e o que fazer para conseguir um_ Hoje vou falar sobre o árduo trabalho de um cão-guia, seu treinamento, habilidades e até mesmo o que acontece após ser aposentado. Ainda darei dicas de como agir com ele e como uma pessoa que necessita de sua ajuda deve fazer para conseguir um.
Papel e habilidades de um cão-guia_Um cão-guia deve obedecer a diversos comandos verbais de seu acompanhante: e como é responsável por auxiliar o deficiente visual a se locomover à qualquer lugar e, estar a trabalho, costuma ser aceito em locais públicos. Sua responsabilidade é bastante séria, portanto é rigorosamente treinado para que siga as seguintes regras:
 » Manter-se firme, sempre à esquerda ou um pouco à frente de seu acompanhante;
 » Mover-se em qualquer direção apenas quando ordenado;
 » Ajudar seu acompanhante a lidar com os transportes públicos;
 » Ignorar distrações, como pessoas, outros animais, cheiros, etc.;
 » Deitar silenciosamente enquanto seu acompanhante permanece sentado;
 » Reconhecer e evitar caminhos com obstáculos;
 » Sempre parar no topo ou pé das escadas até que receba ordem para seguir;
 » Guiar seu acompanhante até os botões dos elevadores;
» Obedecer aos comandos verbais de seu acompanhante.
Além das regras e habilidades citadas, a desobediência seletiva é essencial ao cão-guia, ou seja, ele nunca deve obedecer qualquer comando que possa colocar seu acompanhante em perigo.
Muitas pessoas acreditam que o cão-guia apenas trabalha e nunca se diverte, mas não é verdade. Acontece que ele é treinado para ser muito atencioso e dedicado ao seu serviço, mesmo quando seu acompanhante não está precisando dele, pois sua função é essencial. Porém, se mostra muito satisfeito com seu trabalho e aproveita para brincar nas horas vagas.
Treinamento e principais raças de cães-guia_Inteligência, saúde e boa memória são algumas das qualidades necessárias. O cão-guia é treinado em escolas especiais. Geralmente, as instituições responsáveis por eles oferecem o serviço de seus trabalhadores caninos sem nenhum custo ao acompanhante, pois costumam operar sem fins lucrativos. Entre as principais funções dessas escolas estão:
» Criar filhotes para que se tornem cães-guia; » Treiná-los; » Treinar novos instrutores; » Analisar a combinação entre cada cão-guia e seu acompanhante; » Treinar os novos acompanhantes; » Avaliar e decidir quando o cão-guia deve ser aposentado; » E buscar lares para cães-guias aposentados.
As raças mais comuns de cães-guia são Labrador, Golden Retriever e Pastor Alemão. As principais características das mesmas incluem força, inteligência, afabilidade e adaptabilidade, o que as torna ideais para o trabalho.
Apesar de o cão-guia ser resultado de um cruzamento entre cachorros que já possuem habilidades especiais para o trabalho, pode ocorrer de alguns filhotes não serem ideais para a função. Nesses casos, os que são rejeitados, costumam ter sua inteligência e doçura aproveitadas de outras formas – fazendo companhia a pessoas com enfermidades, cadeirantes, etc. (Caes de Terapia. Leia mais em: Ultimo Post da Deliciosa Série) – ou vendidos como pets.
Os instrutores de cães-guia procuram qualidades essenciais em seus alunos, como fácil aprendizado, concentração, boa memória, inteligência e saúde excelente. Em contrapartida, excluem candidatos que apresentam problemas de socialização com outros animais e tendência à agressividade.
O treinamento de um cão-guia é bastante rigoroso, árduo e gradativo, durando cerca de 2 anos. Assim como muitos adestramentos, esse processo utiliza a recompensa para atitudes certas. Entretanto, as recompensas dadas nunca são comestíveis, pois o animal não pode perder o foco com qualquer guloseima durante seu trabalho.
O início da relação de um cão-guia com seu acompanhante_ O deficiente visual e seu futuro cão-guia devem ser compatíveis e passam por um período inicial de adaptação.
Ao final do treinamento, cerca de 25% dos cães – dependendo da instituição responsável pelo treinamento dos mesmos – são reprovados. Em seguida, os graduados chegam ao estágio final do processo: são apresentados aos seus novos acompanhantes.
As escolas que treinam cães-guia, trabalham para unir cachorros e acompanhantes compatíveis: um cão mais agitado costuma auxiliar pessoas mais jovens, por exemplo. A introdução dessa união costuma durar um período de aproximadamente 1 mês, pois o acompanhante também deve ser treinado, principalmente se nunca esteve em contato com um cão-guia. O treinador do filhote sempre deve estar presente no início dessa relação.
O que ocorre quando um cão-guia é aposentado_ O trabalho árduo de um cão-guia exige bastante saúde física e mental. Por isso, os mais velhos, ainda que continuem obedecendo todos os comandos impecavelmente, reduzem seus rendimentos. Geralmente, a aposentadoria de um cão-guia ocorre entre 8 e 10 anos de idade, mas também existem cachorros que trabalham por menos ou mais tempo, de acordo com a disposição e a saúde de cada um. Após o fim de suas carreiras, são colocados para adoção e existe uma lista de espera para quem deseja adotar um ex-guia.
Como agir com um cão-guia_ Não interaja com um cão-guia que está exercendo sua função.
Todos devem ter em mente que um cão-guia executa uma importante tarefa e não deve ser perturbado. Para isso, basta seguir algumas regras:
» Jamais toque em um cão guia que estiver utilizando sua guia. Ele poderá se distrair e falhar em sua função. Então, ignore-o;
» Caso esteja acompanhado de algum animal, controle-o para que ele não interaja com o cão-guia;
» Nunca ofereça alimentos a um cão-guia. Apenas seu acompanhante deve alimentá-lo;
» Caso haja a necessidade de abordar uma pessoa com deficiência visual que esteja acompanhada de um cão-guia, dirija-se a ela e não ao animal.
» Se a pessoa lhe pedir ajuda, aproxime-se pelo lado direito, deixando o lado esquerdo para o auxiliar;
» Se um deficiente visual acompanhado de um cão-guia lhe perguntar como chegar a algum lugar, dê informações claras para que ele possa passar os comandos corretamente ao animal;
» Não toque em um cão-guia, em sua coleira e nem em seu acompanhante sem avisar.
Como conseguir um cão-guia_ Para obter um cão-guia, o interessado deve entrar em contato com ONGs especializadas.
Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, existem mais de 5,4 milhões de pessoas que apresentam deficiência visual em nosso país. A fila de espera para obter um cão-guia tem mais de 2 mil solicitantes, mas apenas 70 pessoas, aproximadamente, conquistam esse auxílio.
Para melhorar o quadro de cães-guias no Brasil, as ONGs responsáveis trabalham de acordo com a quantidade de doações, apenas assim podem treinar mais animais. Apesar de existirem diferentes critérios para conseguir um cão-guia, a instituição americana Eye Dog Foundation for the Blind Inc exige os seguintes requisitos básicos:
» O solicitante deve estar legalmente cego;
» Possuir boa saúde física e mental; ter cursado ou estar cursando uma escola secundária;
» Ser capaz de prover os cuidados necessários ao animal, como alojamento e alimentação;
» Querer o cachorro para propósitos de mobilidade.
» Após preencher todas as exigências iniciais, o interessado deve entrar em contato com uma ONG focada no treinamento de cães-guias, informar-se sobre o processo, fazer a solicitação e entrar para a lista de espera.
Algumas instituições brasileiras focadas no treinamento de cães-guia são:
Cão Guia Brasil (http://www.caoguiabrasil.org);
Associação Cão Guia de Cego (http://www.caesguia.com.br/);
Projeto Cão-Guia SESI-SP (http://www.sesisp.org.br/caoguia/);
IRIS - Instituto de Responsabilidade e Inclusão Social (http://www.iris.org.br/).
Share on Google Plus

About SevenballShow !

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comments:

Postar um comentário